• 14 de fevereiro de 2020

Encontro Amélia Rodrigues – São Paulo – 07/02

Divaldo dá início ao desenvolvimento do tema referindo-se ao comportamento agressivo e niilista da Sociedade humana. Em seguida Divaldo cita o filósofo grego Sócrates e a visita ao Oráculo de Delfos no qual está inscrito no pórtico a frase “Conhece-te a ti mesmo”.

Cerca de 23 séculos mais tarde, Allan Kardec – em O Livro dos Espíritos – indaga na questão 919: Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?

Os Espíritos Superiores respondem: “Um sábio da antiguidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo”.

O que é que nos falta, pois a palavra “VAZIO” evoca um espaço determinado para o qual há lugar para ser preenchido, mas com o quê?

Para ilustrar essa questão, Divaldo refere-se aos fatos envolvendo o Dr.Viktor Frankl, durante a Segunda Guerra Mundial, o Dr. Frankl, junto com toda a família, é feito prisioneiro e são levados aos campos de concentração.

Após longos anos de subalimentação e maus tratos, o Dr. Frankl adoece, o que representava uma sentença de morte, e para evitar que isso ocorresse ele se mantém consciente escrevendo seu livro que pretendia publicar um dia para testemunhar os horrores do Holocausto.

De retorno a Viena, o Dr. Frankl volta a clinicar e publica a obra intitulada Em busca de Sentido: Um Psicólogo no Campo de Concentração. Alguns anos mais tarde publica o livro “O Homem em Busca de Sentido”.

“Se percebemos que a vida realmente tem um sentido, percebemos também que somos úteis uns aos outros. Ser um ser humano, é trabalhar por algo além de si mesmo. A vida para ser digna tem que ter um objetivo”. Partindo dessa premissa, Divaldo ilustra a questão tomando como referência o livro “Os Quatro Compromissos” do autor americano-mexicano Miguel Ruiz.

Os Xamãs Toltecas elaboraram um método permitindo ao povo assumir o desenvolvimento de um novo comportamento onde as pessoas deveriam assumir quatro compromissos em todas as atitudes na vida:

1- SEJA IMPECÁVEL COM A SUA PALAVRA: A impecabilidade da palavra é o de dizer sempre a verdade.

2- NUNCA TOME PARA SI AQUILO QUE É DIRIGIDO PARA OS OUTROS – NÃO LEVE, NUNCA, A MÁGOA DENTRO DO SEU CORAÇÃO: Não levar em consideração os comentários e ofensas a nós dirigidas sem uma criteriosa análise e, principalmente, não levar nada para o campo pessoal.

3- NÃO TIRE CONCLUSÕES SOBRE NADA: O conhecimento não tem ponto final, razão pela qual devemos estar sempre abertos a revisões e alterações dos nossos conceitos.

4- QUANDO VOCÊ FIZER ALGO, FAÇA-O MUITO BEM, DANDO SEMPRE O MELHOR DE SI: Este compromisso deve ser incorporado na mente e no seu comportamento. Dê sempre o melhor de si em tudo o que você faz.

Pouco mais de 11% da população mundial declara NÃO professar nenhuma religião, significando que mais de 6.600.000.000 pessoas creem em Deus, independentemente da nomenclatura. Então, por qual razão a humanidade enfrenta essa situação? Seriam os 11% de ateus os únicos responsáveis por essa condição?

O problema não é a falta de Religião, mas a ausência da RELIGIOSIDADE das criaturas humanas, muito mais preocupadas em atender aos dogmas da Religião professada, em detrimento dos conceitos morais.

Preparando os ânimos para os dias subsequentes Divaldo faz um convite aos participantes: Que reflitam sobre qual é a razão existencial que move a cada um de nós e que elejam um ideal:

— Eu me prometo que nesses três dias eu vou me sentir feliz.

Mansão do Caminho
© 2000-2019 Mansão do Caminho. Todos os direitos Reservados