• 17 de março de 2020

XXII Conferência Estadual Espírita, Expotrade Pinhais – Paraná – 15-03-2020

Divaldo Franco, encerrando as atividades da profícua Conferência, apresentou o tema Jesus.

Narrou que na história dos hebreus haviam se passado cerca de quinhentos anos sem o som das vozes proféticas. Roma havia distendido suas fronteiras e as legiões asseguravam para a capital a luz do sol a brilhar permanentemente, dado a extensão territorial.

O que estava acontecendo? Os Espíritos dizem que o mundo estava em preparação para receber o Messias, que efetivamente veio, nascendo em uma gruta de calcário, no seio do povo hebreu. Antes da chegada do Messias, a civilização conhecida, por cerca de 300 anos, experimentou o martírio imposto por diversos bárbaros conquistadores.

Foi durante o governo de Otaviano Augusto que nasceu em humilde aldeia de Belém Aquele que seria o Modelo e Guia de toda a humanidade: Jesus, que, vivendo em Nazaré, venceu a humanidade, apresentando o Amor.

Ernest Renan, filósofo, escritor e historiador francês do século XIX, foi nomeado em 1862  professor de hebraico no Collège de France, mas, após sua primeira aula, quando chamara Jesus de “homem incomparável”, seu curso foi suspenso pelo governo de Napoleão III, curso depois suprimido até 1870.

Ernest Renan, instigado por sua irmã Henriette, pesquisou sobre Jesus nos originais, ficando fascinado por esse Homem extraordinário. Desta forma, Renan, embora ateísta, decidiu escrever sobre a vida Jesus, em três tomos. Jesus foi um vulto tão grande que não coube na História da Humanidade, sendo a personagem histórica mais biografada de todos os tempos.

Jesus venceu o mundo com olhos de ternura e compaixão, amando também as crianças, tão desprezadas a seu tempo. Tornou-se o Embaixador da paz em nome de Deus. Ninguém revelou tanta sabedoria como Ele. Até hoje sua mensagem é acalentada nos corações humanos.

Jesus, o Incomparável Mestre, amando incondicionalmente, estabeleceu nova ordem para a humanidade, o amor, que deve ser a si mesmo, ao outro e a Deus. Jesus é compaixão, é piedade para com todos.

Em sua fala final, Divaldo destacou: “Neste momento em que se clausura a XXII Conferência proferida pela Federação Espírita do Paraná,  os seres angélicos que administram o nosso destino comparecem para repetirem como os mártires: – Ave Cristo! Aqueles que te amamos te saudamos e homenageamos”.

Ao final, o Dr. Bezerra de Menezes ditou uma importante e encorajadora mensagem, através da mediunidade de Divaldo Franco.

Fotos: Jorge Moehlecke
Texto: Paulo Salerno
Edição: Mansão do Caminho

Mansão do Caminho
© 2000-2019 Mansão do Caminho. Todos os direitos Reservados